INSTITUTO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM

Venha fazer parte da 
Elite da Enfermagem Brasileira!

Imagem
SIGA O IBRAENF NAS REDES SOCIAIS


Como transformar as falhas da equipe de enfermagem em aprendizado?

Atuação do Enfermeiro em Segurança do paciente

Sem dúvida o enfermeiro lida no seu dia-a-dia de trabalho com grandes desafios! Estar atualizado com as melhores evidências científicas para conduzir e capacitar a assistência de enfermagem, não é tarefa fácil e demanda muita dedicação do enfermeiro. 

 É inegável e nos salta aos olhos que nos últimos anos a assistência tem exigido mais conhecimento técnico, mais habilidade relacional e cada vez mais competências de liderança para que o enfermeiro consiga lidar e desenvolver a sua equipe para trabalhar com o aumento da complexidade da assistência. O aumento do uso de tecnologias no cuidado do paciente, a diversidade de procedimentos, a concomitância de doenças agudas e crônicas e um perfil de atividades cada vez mais difíceis expõe nossos pacientes a mais riscos e expõe a nossa equipe a maior probabilidade de falhas. 
 
Assim, pensando nesses desafios, vamos dar destaque, aqui, a algumas situações muito delicadas e por vezes carregadas de estresse e inúmeras dificuldades para lidarmos. Como estudante, como enfermeiro você já pode ter ouvido ou conheça algum colega que já ouviu: “Foi feito a medicação no paciente errado! O procedimento foi realizado com falha! Durante a mobilização de um paciente foi exteriorizado um dispositivo invasivo!” e tantas outras situações... Minha equipe falhou! E agora? Como enfermeiro, o que eu faço? 

É esperado, é comum que nessas situações o enfermeiro precise lidar com muitas emoções da equipe e do paciente – medo, raiva, frustração, resistências ...o que pode acarretar uma situação complicada para o líder. O nosso objetivo aqui é resumir uma metodologia (fundamentada nas práticas de Segurança do Paciente) que te ajude a controlar, intervir e atuar na diminuição de danos, de conflitos e na prevenção de recorrência dessas falhas! Então se sua equipe falhou...respire fundo e lembre-se de praticar essa sequência de atitudes! 

1 – Contenha os danos – antes de qualquer ação de investigar, descobrir o que aconteceu, dar advertências, punições... foque nas intervenções imediatas para o paciente. É imprescindível uma avaliação, investigação de sinais e sintomas, intervenção com outros profissionais (comunicação do médico, realização de exames, antídotos para erros de medicação etc). A mitigação de danos é diminuir ao máximo as consequências do evento. É muito importante que o enfermeiro converse, elabore protocolos e treine a sua equipe para agir nos casos de acontecimento do evento – por exemplo, treinar a equipe sobre o que fazer, quem acionar, o que verificar no paciente no caso de um erro de medicação. Assim, mesmo na ausência do líder, a equipe de enfermagem saberá o que fazer para diminuir os danos. 
 
2 – Cuide do Cuidador – quando acontece a falha e esta chega até o paciente, especialmente quando a falha provoca reações imediatas ou graves (intercorrências clínicas), o profissional envolvido está numa situação de estresse (medo, sentimento de culpa, pânico etc). Como líder é preciso acolher esse profissional – não é o momento de julgamentos ou atitudes que aumentem o conflito – o líder precisa agir em prol da resolução imediata das consequências para o paciente e ajudar o profissional envolvido a lidar com a situação. Uma atitude valiosa é uma rápida conversa com o profissional para entender se ele está bem, se está apto para continuar as atividades naquele momento (se consegue dar continuidade às intervenções imediatas). É importante envolver esse profissional na correção, na diminuição das consequências, porém, com o cuidado de não trazer um pré-julgamento ou punição do profissional antes mesmo de analisar os fatos. 

3 – Investigue a situação ocorrida – tão logo seja oportuno, assim que cuidar da mitigação dos danos ao paciente, busque informações sobre o ocorrido. É fundamental avaliar como estava o cenário no momento da falha (havia situação atípica, como estava a distribuição de tarefas, o fluxo de pessoas e interrupções no ambiente, os recursos que foram utilizados, se existia e se foi seguido o padrão estabelecido para a atividade, se o profissional era capacitado etc). O enfermeiro pode levantar essas informações no prontuário, observando o local, relatórios de passagem de plantão e conversando com as pessoas envolvidas. É também nesse passo que é formalizada uma notificação de evento adverso, caso a Instituição tenha essa política implantada (por regulamentação do Ministério da Saúde é uma política obrigatória!). 
 
4 – Analise as causas do evento – a etapa 3 trouxe a base para que as causas sejam identificadas – é preciso fugir das armadilhas de ver o problema e de maneira imediata e de forma simplista indicar causas que esteja no seu julgamento e no seu pensamento. Outra perigosa armadilha é apenas culpabilizar o profissional envolvido na falha, deixando de olhar para o processo, para os fatores da tarefa, da tecnologia envolvida, aspectos individuais, da equipe, do ambiente, peculiaridades do paciente e aspectos da própria Instituição. Envolver a equipe e buscar informações certamente vão ampliar essa análise e destacar as causas verdadeiras. Somente intervindo nesses fatores causais e que podemos evitar a recorrência da falha. 
 
5 – Elabore planos de ação e projetos de melhoria – O levantamento das causas deve se alinhar à definição de estratégias, ações de intervenção nas mesmas. É bastante possível, como aponta a literatura de referência em Segurança do Paciente, que as ações devam ultrapassar apenas novos treinamentos para o profissional envolvido no evento – é preciso trazer inovações nas atividades, na organização da equipe, na divisão de tarefas, definição de protocolos, redefinição de recursos etc. 
 
6 – Execute e acompanhe o plano de ação – qualquer plano de ação, por mais bem elaborado que seja, somente renderá resultados quando seu conteúdo for colocado em prática! Então, esta etapa é que efetivamente faz a mudança acontecer! É fundamental que a liderança divida responsabilidades na execução desse planejamento, acompanhe os prazos e mantenha a equipe informada sobre as mudanças e os resultados dessas mudanças. Envolver as pessoas no levantamento das causas, na elaboração do plano e na execução das tarefas gera compromisso e aumenta as possibilidades de bons resultados – no caso, evitar a recorrência do problema e evitar os danos para a assistência. 
 
A Segurança do Paciente traz em seu fundamento essa lógica de desenvolvimento da liderança e da equipe para construção de estratégias como protocolos, gestão de riscos, barreiras de prevenção de danos, ciclos de melhoria contínua e efetivas ferramentas de comunicação como meios valiosos para lidar com o aumento dos riscos assistenciais que o aumento da complexidade do cuidado tem exigido. 
 
Quer aprofundar seus conhecimentos e desenvolver suas competências de liderança? CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o curso de FORMAÇÃO ONLINE EM SEGURANÇA DO PACIENTE PARA ENFERMEIROS.

Grande abraço
Prof. Enfª Kátia Dias 

Gostou desse artigo?
Deixe seu Comentário abaixo!  
Venha fazer parte da Elite da Enfermagem Brasileira!
Insira seu e-mail abaixo para receber informações sobre o Curso Online Líder Coaching para Enfermeiros
Cadastre-se
Gostou? Clique Curtir e deixe um comentário!